Rastros de um Sequestro (2017) escrito e dirigido por Jang Hang Jun (A Hard Day) e estrelado por Kang Na Heul (The Heirs) e Kim Moo Yul (Intruder) é um thriller sul-coreano sempre presente nas listas dos melhores filmes do gênero.

Rastros de um Sequestro é um filme sobre memória. É um thriller tão bom quanto outros thrillers coreanos e com um plot muito original. Já comentamos aqui no BrazilKorea o que um bom thriller causa nos espectadores quando recomendamos The Witness.

Rastros de um Sequestro é hipnotizante do começo até a primeira metade do filme e depois disso se torna um amontoado de hipóteses paranóicas do que realmente está acontecendo. E não sei se digo isso em relação ao filme em si ou em relação a quem o assiste. Na verdade, filmes desse tipo tendem a tratar a personagem que busca respostas e o espectador da mesma maneira. 

É impressionante o que este gênero proporciona a quem o assiste. Rastros de um Sequestro é um dos filmes mais hábeis do gênero e nos coloca não só como personagens mas também como loucos ao interpretarmos memórias que não são nossas e talvez nem existam. 

Sinopse:

Jin-Seok (Kang Ha Neul) muda-se para uma nova casa com seu irmão mais velho Yoo Seok (Kim Moo Yul), mãe (Na Young Hee) e pai (Moon Sung Geun). Jin Seok sofre de hipersensibilidade, mas a controla com medicação. Em uma noite chuvosa, Jin-Seok vê seu irmão mais velho sendo jogado em uma van por um grupo de homens. Após 19 dias de silêncio, Yoo-Seok retorna para casa, mas ele não se lembra de nada de seu desaparecimento. Jin Seok, entretanto, percebe mudanças suficientes na personalidade e comportamento de seu irmão e começa a suspeitar que a pessoa que voltou não é Yoo Seok. (Asianwiki)

Rastros de um Sequestro é tão bem arquitetado que separamos alguns elementos que constroem a narrativa desse filme. Começaremos pelo personagem principal e as primeiras informações a respeito dele.

Memória, cores e sentimentos

Como descrito na sinopse, Jin Seok é hipersensível, o que sugere ser um rapaz que acessa os sentimentos e percebe o ambiente de modo mais “intenso” em outras palavras, pode ser uma pessoa que faz uma super interpretação dos dados. 

A percepção de Jin Seok é sensível e ele pode captar a essência das coisas de modo mais criativo que as demais pessoas. No entanto, aparentemente, essa hipersensibilidade é controlada com remédio. 

Na primeira cena do filme, Jin Seok desperta junto com o telespectador. Estamos vivenciando junto a ele a construção da história. Um dos elementos que irá se repetir durante todo o filme é a cor verde. Dentro de um carro com sua família indo a caminho da nova casa num cenário recheado de árvores transmite certa tranquilidade e amigabilidade com o que o cerca.

O modo como fala de seu irmão e o descreve para quem o assiste também passa essa ideia de ser um ambiente familiarizado. E ao chegar na casa, Jin Seok, fala do primeiro sentimento que além da cor verde, é o plano de fundo do filme: a memória. Nesse momento a memória nos é apresentada em forma de deja vu que é quando ele diz ter a sensação de que aquele lugar lhe é familiar. 

A cor verde está presente durante todo o filme em objetos que se destacam das demais cores do filme. Geralmente, o uso dessa cor está associado a sensações de tranquilidade e relaxamento. Complementarmente junto às demais cores bastante utilizadas em Rastros de um Sequestro que são o azul, estimulando paz e pensamentos criativos e os tons amadeirados (marrom) que lembram também a natureza e tentam gerar certa confiabilidade e segurança.

Paranóia e gaslighting

Outro ponto importante do filme é o gaslighting (manipulação) sofrida pelo personagem principal. Que está intrinsecamente ligado a questão da memória e as percepções de Jin Seok. A única pista que temos é relacionada ao homem que está ajudando na mudança ao perguntar a Jin Seok que idade tem o hyung (irmão mais velho). A pergunta suspeita foi logo interrompida por Yoo Seok. E a partir desse momento qualquer percepção do Jin Seok era manipulada pela família . Sugerindo que Jin Seok estava percebendo a realidade de modo distorcido. Logo, minha leitura sobre este personagem me levou a crer que ele sofria de algum distúrbio de paranóia.

Juntamente a isso, Jin Seok toma um remédio, também verde, que o ajudaria a controlar essas distorções da realidade. O remédio, porém, é um sedativo. O que faz total sentido quando percebemos que Jin Seok sempre dorme. O remédio seria usado para inibir seu despertar do ambiente totalmente manipulado.

Outro elemento utilizado em Rastros de um Sequestro diz respeito aos sonhos de Jin Seok. Para Freud, os sonhos são o acúmulo das experiências que vivemos durante o dia e são as tentativas do subconsciente em liberar aquilo que está reprimido na psique. Alguns sonhos de Jin Seok são essas manifestações do que foi reprimido em sua mente a ponto de fazê-lo apagar de sua memória o que aconteceu no passado. Em um dos sonhos uma mulher o assombra; sonha andando de carro; sonha com o quarto proibido e também sendo torturado.

Todas essas manifestações do subconsciente estão ligadas às memórias reprimidas. Diante disso, a repressão das memórias traumáticas de Jin Seok é explicada por Freud como um mecanismo de defesa da mente para que ele pudesse lidar com toda a ansiedade envolvida com os eventos. Nos revelando que o personagem sofre de Amnésia Dissociativa.

Percepção do telespectador

Além de todos esses elementos e antes mesmo de tudo isso ser revelado, o filme utiliza um outro importante recurso que induz o espectador à loucura: as músicas de suspense over the top. As músicas são utilizadas aqui para nos fazer pensar que tudo o que está acontecendo são invenções fantasiosas do personagem “paranóico”. Todas as músicas de suspense utilizadas tinham um tom meio cômico e super exagerado para construir a narrativa que parecia sair da cabeça de Jin Seok.

A exemplo disso, vemos Jin Seok desconfiando que Yoo Seok não é seu irmão de verdade quando ele volta do sequestro que durou 19 dias. Em busca da verdade, Jin Seok segue seu irmão numa aventuresca perseguição com a música exagerada e entra numa batalha contra homens que outrora fora investigadores no caso do sequestro. De repente, acorda no seu quarto, confuso sem ter certeza se aquilo realmente aconteceu ou se fora criatividade de sua mente.

Dentro do cinema coreano dois tipos de filmes sempre se destacam por suas sacadas incríveis e formas criativas em contar história; e são eles os thrillers e os que giram em torno de vingança. Para nossa felicidade e agonia, este filme é a perfeita e inteligente combinação dos dois.

O filme está disponível no catálogo da Netflix.

Fontes:

simplypsychology.org(1); simplypsychology.org(2); rockcontent.com; asianwiki.com e imdb.com.

avatar
About Caio César

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: