eSport na Coreia do Sul

eSport na Coreia do Sul | Imagem: RiotGames

O eSport na Coreia do Sul é bem mais que um hobby, é uma carreira e muitos de seus jogadores são considerados estrelas na sociedade. Dessa forma, discutiremos um pouco sobre a história dessa tendência mundial e o que de fato levou à sua consolidação em território coreano.

Um amor com alta popularidade

Conhecida por ser uma potência no meio tecnológico, o país não decepciona quando o assunto é investir em novas ideias e gerar fontes seguras de renda de diversas formas.

Poderíamos comparar o amor ao eSport na Coreia do Sul ao mesmo brilho nos olhos que os brasileiros costumam ter por futebol. Por exemplo, em 2014, o marco de 40 mil entusiastas que lotaram a final do Campeonato Mundial de League of Legends (LoL) no estádio de Sangnam, conhecido por ter sido palco da abertura da Copa do Mundo de Futebol, em 2002.

A multiplicação de lan houses 

Antes de tudo é preciso dizer que a facilidade à banda-larga no país é um dos principais influenciadores da popularidade do eSport na Coreia do Sul. Desde os anos 90, as crianças e os jovens coreanos que procuram melhorar sua habilidade nos jogos on-line, encontram refúgio nos chamados “PC Bangs”, uma espécie de lan house ou mesmo cybercafé.

Optar pelos “cybercafés” é uma escolha intencional pela qualidade dos computadores acessados. Em casa, as máquinas tendem a ser mais simples em contrapartida aos “PC Bangs” que investem pesadamente em máquinas modernas e avançadas.

Em outras palavras, os “PC Bangs” ajudaram a multiplicar os aspirantes ao estrelato do meio. Lá, os jogadores se reúnem em equipes amadoras compartilhando experiências, competindo entre si e criando novas estratégias. Dessa forma, tornando-se crucial para o desenvolvimento dos atletas.

KeSPA

Observando o crescimento do eSport na Coreia do Sul, o governou tratou logo de criar a KeSPA (Korean Esports Association). A associação cuida da regularização dos jogadores profissionais e administra a execução dos principais jogos da modalidade no país, dentre eles estão o LoL, o Starcraft e o CS GO.

Com a criação da KeSPA em 2000, a paixão pelo eSport no país foi legitimada e finalmente transformada em uma possibilidade de carreira. Uma das suas primeiras missões foi introduzir o piso de salário mínimo para os jogadores, além do contrato obrigatório de um (01) ano aos recém-contratados.

Novas abordagens
eSport na Coreia do Sul

eSport na Coreia do Sul | Imagem: KeSPA

À primeira vista o eSport na Coreia do Sul foi recebido com os olhos duvidosos dos pais dedicados. Entretanto, hoje, muitos deles adotaram a ideia como mais uma habilidade a ser desenvolvida. Aliás, há aqueles que veem o interesse dos filhos por esse universo como uma forma de canalizar suas energias e desenvolver o pensamento lógico, assim, encaminhando os jovens a uma carreira.

Dessa forma, até cursos estão sendo criados. A Ahyeon Polytechnic High School, em Seul, foi a pioneira na ideia de incluir o eSports como disciplina acadêmica, fato que está sendo imitado no mundo inteiro. É o caso da estadunidense Ohio State University que adicionou a mesma disciplina sobre jogos on-line voltada à pesquisa tecnológica e de desempenho dos jogos.

A ideia das disciplinas na área, além de promover ainda mais o universo dos games e das competições on-line, é desenvolver iniciativas que aprimorem a experiência dos usuários e do público fiel.

Leia mais sobre o Campeonato de League of Legends na Coreia do Sul.

O eSport na Coreia do Sul

Além do fácil acesso à internet e dos “PC Bangs”, as transmissões ao vivo também são grandes protagonistas na fixação desse amor. Há mais de 20 anos a Coreia do Sul transmite as partidas e os grandes eventos relacionados na TV. Igual a um apaixonado por futebol que vibra pelo seu time do coração pela telinha, os coreanos também são acostumados a escolher seus times preferidos e assim compartilhar esse amor.

Muito se especula que o amor dos coreanos pelos games on-line deve-se um pouco à cultura. De certa forma, jogos como Starcraft ou League of Legends são uma espécie moderna de desafios mentais. Para vencer as partidas é preciso de raciocínio lógico, rápida resposta e adaptação às adversidades, logo, o eSport torna-se um exercício para o cérebro.

Entenda mais sobre a Indústria de Jogos na Coreia do Sul.

Fonte: Korean Game Desk e Washington Post.

avatar
About Juliana Vicente

(Fortaleza/CE) Jornalista cearense apaixonada por cinema, culturas, história e literatura. Escreve por vocação e sonha alto na esperança de fazer do mundo um lugar melhor.

2 Responses to O eSport na Coreia do Sul e o seu pioneirismo no segmento
  1. avatar

    Muito massa saber os diferentes tipos de campeonato que temos no mundo. Parabéns pela matéria <3


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: