Jeongmoon Choi

Imagem: Facebook Centro Cultural Coreano no Brasil

O BrazilKorea entrevistou JeongMoon Choi, artista criadora da exposição In.Visible que faz parte da Bienal Internacional de Curitiba de 2015. Confira!

JeongMoon Choi é uma designer sul-coreana, nascida em Seul e que hoje vive e trabalha em Berlim. Representando a Coreia do Sul, a artista foi convidada a apresentar seu trabalho na edição 2015 da Bienal Internacional de Curitiba, que tem como tema “Luz do Mundo”. Suas obras fazem uso de materiais simples em uma técnica que a artista chama de “Draw in space”. Fios de algodão cobertos com tinta fluorescente e iluminados por luz negra que, dentro de um ambiente escuro, criam um espaço completamente diferente, com diversos caminhos a serem descobertos pelo próprio visitante.

Em passagem pelo Brasil JeongMoon realizou, um dia antes da inauguração da exposição, um seminário onde ela pôde contar um pouco sobre a sua história, explicar sobre a produção das suas obras, mostrar ao publico alguns de seus trabalhos anteriores e responder perguntas feitas pela plateia. Confira a entrevista que o BrazilKorea fez com a artista sul-coreana:

Nome:
JeongMoon Choi
Ano de nascimento: 1966
Hoobie: viajar
Música favoritas: Rock e um pouco de indie e hip hop

BrazilKorea: De onde vem a sua inspiração?
JeongMoon: Quando as pessoas entram e andam pelo espaço a maioria delas dizem que tem um momento de meditação e reflexão. A minha inspiração vem do espaço e desse momento de reflexão.

BrazilKorea: Você acha que a arte pode sofrer influência da cultura e tradição de cada país?
JeongMoon: Com certeza a arte muda em cada país, pois, cada um tem a sua cultura, o seu estilo de música, culinária e etc. Então cada cultura tem uma arte diferente.

BrazilKorea: Qual foi o projeto mais especial para você?
JeongMoon: A importância do meu trabalho é ver a característica do espaço e a característica da obra, mas, entre todos os projetos que já fiz, só teve um que foi feito em um ambiente externo, Lines up . a recollection feita em Berlim, este foi o mais especial pois me trouxe outras vontades.

BrazilKorea: Como você se sentiu quando fez a primeira exposição?
JeongMoon: O meu primeiro projeto foi em uma exposição em grupo, em 1990, e eu estava tão animada e ansiosa a ponto de querer chorar. Aqui no Brasil é a primeira vez que trago o meu trabalho para uma exposição e estou me sentido como me senti com o meu primeiro trabalho. Estou ansiosa, nervosa e também curiosa para saber o que as pessoas vão achar e dizer sobre o meu trabalho.

BrazilKorea: Além dos fio, atualmente você trabalha com outro material?
JeongMoon: Para fazer a exposição em si eu uso apenas fio e algumas vezes madeira para auxiliar, mas quando vou fazer o esboço do projeto eu uso lápis e giz de cera.

BrazilKorea: Quais são os seus planos de novos projetos e exposições?
JeongMoon: Depois do Brasil eu tenho mais duas outras exposições. Daqui a dois dias terá uma exposição em Avignon na França e, logo depois, irei fazer outra em Austin no Texas – EUA.

BrazilKorea: Existe algum país que você gostaria muito de expor o seu trabalho?
JeongMoon: Como já fiz exposições na Europa, Ásia e agora América, se eu apresentasse o meu trabalho no continente da África será muito especial.

BrazilKorea: Deixe um recado para os seus fãs ou para os que estão iniciando no mundo da arte agora.
JeongMoon: Para as pessoas que estão começando no mundo da arte agora, quero dizer para não desistirem, não parem, não deixem o lápis e a caneta de lado, continuem até o final, pois, algum dia alguém irá te reconhecer. Não é fácil sobreviver da arte, mas mesmo assim não desista, algum dia você irá conseguir ser reconhecido.

Pergunta feita pelos alunos do curso de Design da FAE Centro Universitário

A interação com as suas obras provoca que tipo de sensação com as pessoas?
JeongMoon: 
As minhas exposições não terminam quando eu termino a instalação, ela continua até quando os visitantes chegam e andam pelo espaço. Eles mesmo descobrem por perspectivas diferentes o espaço da exposição, e essa interação entre o público e a obra é muito importante. Fiz uma obra que se chama O explorador, que é um desafio ao publico. A ideia deste trabalho foi que as pessoas entrassem e descobrissem o caminho para a saída dentro da instalação.

No seminário você disse que começou a trabalhar com os espaços porque queria “andar” sobre as suas obras. Você conseguiu atingir esse objetivo?
JeongMoon: 
Sim, eu realizei esta vontade minha. Assim como os visitantes eu também aproveito bastante o espaço das minhas obras.

 

Jeongmoon Choi - BrazilKorea

Imagem: BrazilKorea

 

A exposição In.Visible faz parte da Bienal Internacional de Curitiba de 2015 e ficará aberta ao público até o dia 6 de dezembro de 2015.

Local: Museu Oscar Niemeyer (R. Mal. Hermes, 999 – Centro Cívico, Curitiba – PR, 80530-230)
Horário de funcionamento: Terça a domingo, das 10h às 18h
Valor: R$9,00 (inteira) R$4,50 (meia entrada)

Agradecimento: JeongMoon Choi, Kaio Santos, Priscila Daun Chung.

Fontes: Facebook JeongMoon Choi, JeongMoon Choi, Bienal de CuritibaBrazil Korean Culture.

avatar
About Carolina

Editora de Conteúdo (Curitiba-PR) - estudante, futura designer e fotografa, desde criança apaixonada pela cultura oriental em geral, mas principalmente japonesa e coreana, disposta a aprender e divulgar as culturas que tanto gosta.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: