Gyeongbokgung

Imagem: Alexandre Disaro

Gyeongbokgung é o maior e mais antigos dos palácios imperiais de Seul. Foi construído quatro anos após o início da mais próspera e longeva das dinastias coreanas, a dinastia Joseon.

Com o decorrer dos séculos passou por expansões, destruições e reconstruções. É sem sombra de dúvida o mais imponente dos palácios da Coréia do Sul. Se estiver por lá e puder conhecer apenas um dos palácios, que seja este.

O palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung) foi construído em 1394 pelo rei Taejo, fundador da dinastia Joseon. Localizado ao final da Gwanghwamun Plaza – que funciona como a espinha dorsal de Seul, concentrando muitos dos principais pontos da capital sul-coreana como o palácios Gyeongbokgung, Deoksugung, o córrego Cheonggyecheon, 0 City Hall e o principal dos grandes portões (Namdaemun) – sempre esteve numa posição central. Aos fundos o Monte Bugak (Bugaksan), à frente a rua dos seis ministérios (Sejongno) e a entrada principal do palácio através do portão Gwanghwa (Gwanghwamun).

Durante a invasão japonesa (Guerra de Imjin 1592-1598), Gyeogbokgung foi posto abaixo e incendiado. Consequentemente a corte real teve que se mudar para o Palácio de Changdeok (Changdeokgung). Após ficar tanto tempo abandonado, em 1867 o palácio fora reconstruído formando um grande complexo, servindo como um símbolo icônico para a família real e para a nação coreana. Em 1895, logo após a morte da sua esposa a Imperatriz Myeongseong, o rei Gojong deixou o palácio e nunca mais retornou. Mudando-se para Deoksugung.

Assim que o Império Japonês transformou Seul em sua colônia (1910-1945), o palácioGyeongbok (Gyeongbokgung)  foi sistematicamente demolido e reduzido a apenas 10 edificações. Estima-se que 90% da sua estrutura foi posta abaixo. Em 1989, o governo sul-coreano começou um extenso projeto de reconstrução (planejado para 40 anos) das centenas de estruturas destruídas durante a época de colônia. Ao final de 2009, estimou-se que 40% das estruturas presentes antes da época colonial foram restauradas e reconstruídas. Ainda há bastante trabalho a ser feito para recuperar toda sua magnitude.

Acesse o post completo no Viver a Viagem, veja as fotos e saiba como chegar.

Siga minha página no Facebook e Instagram

Até mais!

avatar
About Alexandre Disaro

Editor associado (São Paulo) - Internacionalista de formação e fotógrafo por opção. Gosta de viajar e conversar sobre; cozinhar para amigos; passar horas praticando caligrafia; aprender idiomas; escrever; estudar bandeiras e tomar chá. www.alexandredisaro.com (site como fotógrafo) www.disaro.co (site do blog de viagem)

One Response to [Disaro no BK] O Palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung) em Seul‏
  1. avatar

    […] Changgyeong (Changgyeonggung), Changdeok (Changdeokgung), Deoksu (Deoksugung), Gyeongbuk  (Gyeongbukgong) e o Santuário de […]


[top]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.