BrazilKorea Brasil Kpop Cover Liquidificover Kpop BR Covers

Músicas alucinantes, coreografias extraordinárias, K-pop e cover. Uma receita saborosa de um prato brasileiros para os que adoram K-pop Dance Cover. E quem é o Chef? A equipe do Kpop BR Covers, que se encarrega de fazer as melhores misturas no especial Liquidificover. O BrazilKorea entrevistou a administradora e editora do KPBRC, Natasha Belus, sobre a serie que reúne em um vídeo performances de solos e grupos covers do Brasil todo. Confira! 

BK: Como foi a criação do Liquidificover?

Natasha: Em 2014 fizemos uma série de ESPECIAIS FINAL DE SEMANA. Durante o final de semana postávamos 10 vídeos, dança no sábado e canto no domingo, em homenagem a um artista de K-Pop que o publico votava. Nessa época recebemos muitos vídeos de gente que queria participar da programação. Ao longo desses especiais percebemos que havia algumas coreografias mais populares que outras. Na homenagem ao Wassup (o primeiro grupo vencedor da votação) tivemos que escolher entre 8 vídeos da música “Wassup”, 4 da musica “Nom Nom Nom” e apenas 1 da música “La Pam Pam”… Essa discrepância se sucedeu também nos especiais seguintes, em VIXX eram 7 covers de “Voodoo Doll”, 6 de “On and On” e a apenas 1 de “Rock u Body”, e por aí vai. A ideia era não repetir coreografias no Especial, quando dava, então muita gente que mandou seu vídeo ficou de fora. Foi quando lembramos do vídeo tributo ao Lady’s Code feito em 2014 onde reunimos, em um só vídeo, vários grupos que dançaram “BAD GIRL“. A edição desse vídeo é da integrante Marcelle Ribeiro (integrante do grupo cover Versus Dance Crew do RJ). Foi uma espécie de Liquidificover.

BK: Como vocês escolhem as coreografias que estarão no Liquidificover?

Natasha: Em 2015 por falta de tempo não voltamos com os Especiais de Finais de Semana e tínhamos planos de atualizar o canal do KPBRC. Então, tomamos o vídeo do Ladie’s Code como base para criar uma série de vídeos que seria uma “coletânea” das coreografias de K-Pop mais populares no Brasil.
Pra achar as coreografias temos que contar os vídeos das Playlists, e isso dá um trabalhão, pois antes temos que organizar as Playlists por ordem alfabética dos grupos e das músicas, assim fica fácil visualizar e não esquecer de ninguém. Resolvemos começar pelas Playlists já organizadas na época dos Especiais e seguir a mesma sequência do ano passado. Então começamos com WASSUP, fomos pra VIXX… e quem acompanhou nossa page em 2014 já sabe quais serão os próximos grupos. XD
Então nós começamos escolhendo as coreografias assim, por conveniência, seguindo a lista de homenagens do ano passado.

BK: Como vocês escolhem os vídeos covers que serão “misturadas” no Liquidificover?

Natasha: O Liquidificover só faz sentido com muita gente ou, no caso, muitos vídeos. A ideia do Kpop BR Covers é apoiar os grupos covers INDEPENDENTEMENTE de questões técnicas, prêmios, etc. Então TODOS os vídeos da coreografia mais popular que se encontram na nossa Playlist entram na mistura. Lembra que eu disse que muitos grupos ficaram de fora do Especial? A gente escolhia a melhor apresentação, como um miniconcurso cover.
No Liquidificover isso não importa. Tanto faz se você estava em um palco, ganhou, não ganhou, se é MV cover, se é um vídeo feito no quintal da sua casa, ou pra uma gincana. Isso permite criar um MIX cultural que não privilegia nem cria estrelismos. Todos tem o mesmo espaço e a mesma chance, seja um grupo de 6 anos de careira, ou o guri de 13 anos que começou a dançar agora.
As únicas regras são: O vídeo tem que estar em nossa Playlist e o grupo tem que estar cadastrado em nossa lista de aniversário ou já estar “na mira” do Kpop BR Covers.

BK: Como é feita a edição dos vídeos do Liquidificover? Vocês tentam separar conforme os melhores trechos de cada performance, ou separam por versos da música?

Natasha: Só vira Liquidificover coreografias que tem no mínimo 8 vídeos covers completos. Quer dizer que se não temos 8 vídeos, não faremos o Liquidificover.
Tomamos muito cuidado com a quantidade de vezes que os grupos aparecem no vídeo. Nós contamos (é sério). No primeiro momento se há oito vídeos, por exemplo, cortamos de acordo com o andamento da música até os 8 aparecerem. Acabou, agora vamos de novo mudando a sequência dos clipes até mostrar todo mundo, e de novo, e de novo até a música acabar.
Assim ninguém tem mais destaque que ninguém, conseguimos valorizar os melhores pontos das coreografias dos grupos que, por ventura, não tiveram tanto êxito quanto outros, afinal a gente não tá fazendo pra que comparem e digam “fulano dança melhor que sicrano”, nós mostramos o melhor de quem tá iniciando e também dando o devido valor aos veteranos.

BK: Quanto tempo leva em média para a seleção, produção e finalização de cada edição do Liquidificover?

Natasha: Quanto tempo? Não sei. Nunca paramos pra contar, mas leva mais de semanas. Assim, editar mesmo, colocar os vídeos na timeline sincronizar e cortar… não leva mais que uma tarde, no máximo umas 8 horas, nada demais (as vezes a gente deixa em aberto pra ver de novo no outro dia e fazer ajustes finos). Escolher os vídeos é fácil, todos entram. kkkkk. O que dificulta são as agendas das editoras. Eu, Natasha, sou a editora principal do KPBRC, na verdade editar vídeos é a minha profissão. Todos nós do KPBRC trabalhamos ou fazemos faculdade…
Eu editei o piloto (Wassup) e oriento o trabalho da Marcelle a distância. Ela é do Rio, eu sou de Brasília. Nós vamos dividir os futuros vídeos, ela montará alguns, eu montarei outros, mas a ideia é deixar o trabalho da edição nas mãos dela enquanto eu fico com a escolha das coreografias, a organização da Playlist e as informações dos grupos ou seja todo o planejamento e pré-produção, além da publicação já que eu cuido do canal também, eu sou a ADM geral e a faz tudo do grupo. Eu faço de tudo e distribuo as tarefas, mas essa parte da organização das Playlists, especificamente, está sob a minha responsabilidade (e são muitos vídeos. Se alguém quiser se candidatar, estamos com vagas abertas).

BK: Como tem sido a repercussão, o público tem gostado muito dos vídeos já produzidos?

Natasha: Está sendo excelente!!! Os grupos aceitaram a surpresa de forma aberta. Fico especialmente feliz com o feedback de solistas ou grupos de estados fora do eixo São Paulo, Pernambuco e Ceará. Sim, o polo ONLINE de grupos covers é esse e também os mais famosos e os de melhor qualidade também. Mas é importante mostrar que existem outros grupos maravilhosos em outros estados, que são desconhecidos por não usarem as redes sociais e o Youtube (me pergunto sempre o porquê). Fico besta com a qualidade dos grupos do Rio grande do Sul e do Rio de Janeiro, mas online eles são muito desarticulados, poucos tem page, ou um canal, e os vídeos oficiais dos eventos chamam pelo nome genérico “grupo 01”, “grupo 02”, então é um trabalho de formiguinha caçar cada um deles.
Futuramente queremos conseguir o máximo de Estados diferentes, como foi com Voodoo Dool, é legal poder fazer algo que junte norte a sul do país em um movimento só, afinal, somos todos kpoppers, somos todos uma mesma tribo.

Brazilkorea: Quais são os planos para o Liquidificover? Você pode nos contar um pouquinho do que deveremos esperar deste projeto?

Natasha: Então, acho que já falei MUITO, até mais que o necessário e sem querer respondi essa pergunta. Então eu vou dizer o que NÓS esperamos desse projeto.

Esperamos que o Liquidificover alcance o maior número de kpoppers possível, no Brasil e no mundo, e que seja bem-aceito pela maioria, e que nenhum grupo se sinta lesado ou brigue conosco por usarmos seus vídeos. Quem sabe esses vídeos não param na mão de produtores coreanos? Vale para que eles tenham uma ideia do quanto o K-Pop é popular no Brasil como um todo. Quem sabe esse projeto não sirva para legitimar a demanda por shows, venda de CDs e DVDs entre outros produtos de K-Pop no país? Ambicioso eu sei, mas de grão em grão a galinha enche o papo. Uma hora vai acontecer e deve ser gostoso saber que somos parte disso.

Para saborear as misturas feitas no Liquidificover, entre outros covers de dança e canto, acesse o canal oficial do Kpop BR Covers no Youtube e a página do grupo no Facebook (para se cadastrar para as futuras edições dessa série, entre em contato com o KPBRC por inbox).

Agradecimento: Natasha N. L. Belus.

Entrevista: Carol Lima

avatar
About Carolina

Editora de Conteúdo (Curitiba-PR) - estudante, futura designer e fotografa, desde criança apaixonada pela cultura oriental em geral, mas principalmente japonesa e coreana, disposta a aprender e divulgar as culturas que tanto gosta.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.